Atualizado em: 7 março 2012

Serviços na Nuvem. Porque usar e porque não usar!

Conheça os pontos positivos e negativos dos serviços na nuvem, também conhecidos como Cloud Services. Entenda porque você deve (ou não) usar serviços em nuvem.
Você Sabia?
Amazon Web Services (AWS) é um conjunto de serviços de computação remota (também chamados web services) que juntos, constituem uma plataforma de computação em nuvem, proporcionada através da Internet pela Amazon.com. Os serviços mais populares são o Amazon EC2 e o Amazon S3.

Como eu sou defensor, entusiasta e usuário dos serviços na nuvem, vou começar pelas coisas ruins, normalmente omitidas. Dizem que a primeira impressão é a que fica, então, se você descobrir que a nuvem não serve aos seus propósitos, é melhor nem começar a usar do que usar e falar mal se houver alguma frustração por falta de conhecimento.

Precisamos todos entender que sempre estamos correndo algum tipo de risco, e no máximo, podemos minimizá-lo. A parte que não está sobre o nosso controle, entregamos à sorte, Deus ou ao mero acaso.

publicidade:

Entretanto, antes talvez você queira conhecer os atalhos de teclado do novo Windows 8, que não por qualquer motivo, também terá  forte integração com serviços na nuvem.

Microsoft usa e oferece serviços na nuvem

Microsoft usa e oferece serviços na nuvem

Entendendo onde está o calcanhar de Aquiles

Em termos muito simples, usar os serviços na nuvem é como guardar dinheiro no banco. Podemos retirá-lo em todas as agências deste banco quando desejarmos. Desta forma, fica com o banco a responsabilidade de gerir e guardar nosso dinheiro. Se uma das agências desabar em um terremoto, o dinheiro ainda poderá ser sacado em outros postos de atendimento.

No outro lado da moeda, guardamos o dinheiro em uma única agência, que também aparenta ser moderna e flexível, afinal tem inúmeros caixas eletrônicos onde sacar o dinheiro. Neste caso, porém, se o supracitado terremoto destruir a agência, os caixas eletrônicos deixarão de funcionar e seu dinheiro desaparece.

Na analogia acima, por dinheiro, entenda-se os nossos arquivos. Fica claro que se o banco falir, em ambos os casos nossos arquivos correm um sério risco de deixar de existir. O banco com várias agências é a nuvem, enquanto que o banco com uma agência é a sua empresa de hospedagem com data center em uma única localização geográfica.

Creio que o leitor já entendeu que, em síntese, sua percepção do que é mais seguro é que o levará a tomar a decisão sobre que tipo de serviço usar. Não existe receita de bolo aplicável a todos, entretanto, a nuvem tende a ser uma solução aplicável com mais eficácia, na esmagadora maioria dos casos.

Cloud Computing

Motivos para usar serviços na nuvem

Se eu tivesse que resumir, usaria os termos: mobilidade, produtividade e colaboração.

1 – Sincronização

Aplicativos e serviços rodando na nuvem não estão na sua máquina, logo, você pode acessá-los em qualquer lugar onde haja Internet. Muitos deles possuem sincronização automática.

O serviço de armazenamento de arquivos Dropbox, por exemplo, conta com um aplicativo que pode ser instalado no seu computador com Windows, Mac ou Linux, além de também ter versões para smartphones e tablets.  Com efeito, quando você coloca um arquivo em um dos seus dispositivos, ele será automaticamente replicado para todos os seus outros dispositivos que tem o aplicativo Dropbox instalado.

2 – Compartilhamento

Esta também é uma das características mais interessantes da nuvem. Serviços como o Google Docs e Google Agenda permitem que um grupo de pessoas compartilhe documentos do Office, como arquivos Word e Excell, ou uma agenda de compromissos ou eventos.

Desta forma, todo grupo de trabalho terá acesso pleno à versão atualizada de um documento, enquanto que, se a data ou horário de um compromisso for modificado, todos os envolvidos serão avisados via e-mail ou até por SMS.

3 – Bom para o meio ambiente

O ambiente em nuvem consome menos energia que os modelos tradicionais. É mais barato para uma empresa, em se tratando de consumo de energia elétrica, manter sua estrutura em servidores rodando na nuvem.

Assim, ao usar serviços como Hotmail, SkyDrive, Gmail, Dropbox, Box e outros, você está colaborando para um uso mais racional dos recursos do nosso planeta.

4 – Menos suscetível a desastres naturais

Imagine que todos os e-mails importantíssimos da sua empresa estão hospedados em um servidor localizado naquele data center maravilhoso, que lhe foi apresentado como ultra-seguro, com sistemas de proteção contra incêndio e falta de energia elétrica, além de acesso limitadíssimo de pessoas, restringido por leitores de retina.

Pois bem, tudo isso não terá qualquer valor caso aconteça uma catástrofe natural de grandes dimensões na região onde o data-center está localizado.

Por outro lado, uma das características dos serviços na nuvem é não manter os dados apenas em uma região geográfica. Quando em nuvem, aqueles seus e-mails importantíssimos também teriam uma cópia em outros servidores distantes centenas, talvez milhares de quilômetros, e você não os perderia e não deixaria de poder acessá-los.

5 – Riscos menores

Ao contrário do que alguns críticos afirmam, os serviços na nuvem são mais seguros. Além de todos os backups e infraestrutura encontrada nas empresas de servidores tradicionais, as empresas na nuvem criam backups localizados em outras regiões geográficas e os disponibilizam automaticamente em caso de falhas. A não ser em casos muito críticos, daqueles raros e difíceis de prever, o usuário sequer perceberá que ocorreu a falha.

6 – Maior disponibilidade

A capacidade dos sistemas em nuvem monitorarem a si próprios e conseguirem solucionar problemas automaticamente, os tornam mais disponíveis que os sistemas usados por empresas tradicionais. Em paralelo a isso, os sistemas em nuvem conseguem ampliar sua capacidade de atender a demanda de acessos sozinhos, sem interferência humana. Pense no Gmail, no seu tamanho, abrangência e quantidade de usuários. Quando você viu o serviço fora do ar?

7 – Muito mais barato

No modelo tradicional, uma quantidade de recursos previamente definidos tem que ser alocados para o cliente. Não importa se ele usar a menos, terá que pagar a quantia cheia. Por outro lado, se ultrapassar o limite previamente definido, seus serviços irão parar de funcionar.

No caso da nuvem, ainda existe a possibilidade de reservar uma quantidade de recursos mínimos, porém o sistema pode ser configurado para ser ampliado e diminuído automaticamente de acordo com a demanda. Assim, pagamos um preço fixo pelos recursos reservados e um preço variável pelo recurso dinamicamente alocado. Ou seja, pagamos pelo que efetivamente precisamos usar.

O mesmo vale para transferência de dados e espaço em disco ocupado, onde só é cobrado o que efetivamente foi utilizado.

Isto vale para um serviço de e-mail como o Microsoft Live Mail (Hotmail), como para o servidor de e-mail da sua pequena empresa.

Em se tratando de Brasil, a economia as vezes supera os 50%.

Serviços na nuvem

Empresas e serviços que usam a nuvem

Sabia que até os jogos da Playstation Network serão armazenados na nuvem?

  • Dropbox – Armazenamento e compartilhamento de arquivos
  • Box – Armazenamento e compartilhamento de arquivos
  • Netflix – Streaming de vídeos
  • Gmail – Serviço de e-mail
  • Hotmail – Serviço de e-mail
  • Peixe Urbano – Compras coletivas
  • Gol Linhas Aéreas – Empresa de aviação
  • Ericsson – Empresa de tecnologia
  • HootSuite – Plataforma de gerenciamento de redes sociais
  • IBM – Empresa de tecnologia
  • LiveMocha – Ensino de idiomas
  • IMDB – Banco de dados de informações sobre filmes
  • Second Life – Plataforma de realidade virtual
  • Casa & Vídeo – Loja de variedades
  • Yelp – Plataforma de opinião compartilhada de usuários sobre serviços de terceiros
  • Foursquare – Rede social baseada em localização
  • Sonico – Rede social
  • Alexa – Serviço de estatísticas Web
  • Facebook – Rede social
  • Twitter – rede social

Quer conhecer apenas a ponta microscópica do iceberg. São milhões de empresas usando a nuvem e o número não para de aumentar. Conheça algumas dezenas delas aqui.

O futuro da computação em nuvem no Brasil – Vídeo

Mais sobre a nuvem no Brasil

Hoje, cerca de 12% das empresas usam serviços em nuvem. Atualmente o Brasil é o líder de utilização de serviços em nuvem da América Latina, com previsão de chegarmos a 35% em 2013.

O famoso custo Brasil ainda é um fator proibitivo. Tudo que é feito aqui, ainda que seja idêntico ao que é feito no exterior, custa mais caro. Isto não é diferente com os serviços na nuvem.

Entretanto, a própria arquitetura dos serviços em nuvem, os fazem ser mais econômicos que os modelos tradicionais. Um bom exemplo disso é a Amazon Web Services que chegou ao Brasil em dezembro de 2011 e já tem milhares de clientes. A cada dia, o número de pessoas e empresas que se despedem do modelo tradicional aumenta.

Cuidados com empresas mentirosas

Este subtítulo poderia ser mais ameno, mas não encontro outro termo mais representativo do que as empresas tradicionais estão fazendo.

Rapidamente o poder dos serviços em nuvem está conquistando novos usuários, enquanto faz com que empresas tradicionais baixem os preços e mintam descaradamente, usando termos como Cloud, Computação em Nuvem, entre outros.

Ocorre que, no caso de servidores Web, se não houver flexibilidade, escalabilidade automática, cobrança apenas do que é usado e principalmente, uma API que dá acesso gerencial pleno à desenvolvedores, o serviço pode ser considerado na nuvem.

Como hospedar um site gratuitamente por um ano na nuvem

Você também vai gostar disso:

Conte-nos o que achou da matéria usando o facebook