Atualizado em: 3 agosto 2011

Robôs-Focas ajudam na Tsunami do Japão

É incrível achar que um robô de bichinho vá ajudar na recuperação de um grande trauma, mas isso é real, a prova disso são os idosos que sofreram com o desastre do Japão

Dá para se imaginar que a recuperação no Japão do tsunami que aconteceu em março, não deve estar sendo fácil. Realmente não tem como ser. Mas algo que está ajudando e muito a pessoas que sofreram e sofrem até hoje devido o desastre: o robô-foca. Especificamente são os idosos que estão se dando bem com essa espécie de tratamento. E o melhor de tudo, está dando muito certo!

Eles são tratados como bichos de estimação e ajudam muitos moradores a superarem traumas da tragédia. Um deles é chamado de Paro e além de dar muito carinho e ajudar nessa superação, ele também recebe muito carinho e muita atenção dos idosos.

publicidade:

É diferente pensar que um robô possa fazer tanta diferença num trauma sentimental, mas eles fazem sim. “Se eu os abraço, não me importo se eles são máquinas por dentro. Mesmo assim, me sinto segura” conta Satsuko Yatsuzaka, de 85 anos, ao jornal Extra, depois de ter abraçado um dos robôs-foca por cerca de meia hora.

Os idosos que estão recebendo esse tratamento são os que se encontram num abrigo devido terem que abandonar o local de antes por causa da tragédia. E o contato com o robô está fazendo uma diferença incrível na vida de todos os idosos. O uso de robôs no tratamento diminui barreiras que existiriam com bichos reais.

O Jornal O Globo explica também que os robôs focas precisam ser recarregados, assim como os outros robôs, por uma hora e meia e são feitos com tecido antibacteriano. Normalmente eles “trabalham” de manhã, são recarregados, e voltam a funcionar à tarde. Os amigos robóticos também ajudam nos exercícios dos idosos, fazendo com que eles cantem e ajudem as focas a bater palmas.

Para entender melhor a leitura, saiba sobre as explosões na usina nuclear do Japão e também sobre o terremoto no Japão.

Você também vai gostar disso:

Conte-nos o que achou da matéria usando o facebook