Atualizado em: 18 maio 2011

Marinha dos EUA cria jogo de guerra

O Escritório de Pesquisa Naval tem planos para lançar este mês o seu primeiro jogo de guerra online, proposto pelos militares para obter idéias das jogadas de milhares de pessoas.

Marinha dos EUA cria jogo de guerraA marinha norte-americana decidiu usar a sabedoria de milhares de jogadores com o objetivo de desenvolver uma estratégia militar, convidando o público para participar de um jogo online em que navios comerciais são capturados por piratas somalis.

O Escritório de Pesquisa Naval planeja lançar este mês o seu primeiro jogo de guerra online, proposto pelos militares norte-americanos para obter idéias a partir das jogadas de milhares de pessoas, em vez de recorrer a tradicional reunião de estratégia realizada a portas fechadas em um escritório do Pentágono.

publicidade:

O jogo “é projetado para produzir idéias e possíveis soluções para um dos nossos problemas e desafios mais difíceis “, disse Lawrence Schuette, diretor de Inovação do Office of Naval Research.

“A pirataria no Chifre da África tem sido um problema persistente com muitas partes interessadas. Escolhemos este tema para a fase piloto”, disse Schuette.

O início previsto do projeto foi adiado um mês por causa das 9.000 pessoas que se inscreveram no jogo, em vez das 1.000 que se esperava, disseram autoridades.

A Marinha espera que o projeto lhe permita tirar partido de uma vasta gama de habilidades, não só militares, mas também de acadêmicos, políticos e especialistas em tecnologia, disse ele.

“A esperança é que através da inteligência coletiva e sabedoria de muitos, sejamos capazes de criar uma conversação sobre este difícil problema geopolítico e encontrar soluções que nunca nos teriam ocorrido”, disse ele. O jogo terá três rodadas ao longo de três semanas. Os jogadores da primeira rodada vão enfrentar um cenário de pirataria e soluções rápidas lhes serão pedidas, no estilo de um comentário no Twitter.

Serão apresentas aos jogadores, caixas nomeadas com as palavras “Inovar” e “Defender”, nas quais haverá perguntas tais como  “Que novos recursos poderiam mudar o curso da situação dos piratas somalis”?

No segundo turno, há mais cenários a serem enfrentados e, em seguida, no terceiro, os jogadores serão agrupados em equipes e terão de elaborar um “plano de ação” mais detalhado. No plano de ação, o jogador receberá pontos pela inovação e a permissão para adicionar mais texto e ilustrações para a idéia original.

O criador do jogo, o Instituto para o Futuro, organização sem fins lucrativos com sede em Palo Alto, Califórnia, nos Estados Unidos, mantém segredo os detalhes precisos dos cenários da aplicação bélica.

No melhor estilo do pentágono, a plataforma do jogo tem um nome difícil de lembrar: jogo de guerra multiplayer online com o uso amplo da Internet, ou MMOWGLI, na sigla em Inglês.

 

 

Você também vai gostar disso:

Conte-nos o que achou da matéria usando o facebook