Síndrome das Pernas Inquietas


Muitas pessoas acreditam que alguns transtornos não passam de frescura ou de manias de algumas pessoas. Muitos não sabem que muitas vezes, essas manias são doenças, que precisam de tratamento para que não haja piora e traga consequências ruins. Quando vemos alguém balançando muito as pernas achamos que é puro nervosismo e que aquilo logo passa, mas não pensamos que aquilo se trata de uma síndrome. O ato de não conseguir deixar as pernas em repouso é chamado de Síndrome das Pernas Inquietas. Saiba mais sobre esse distúrbio neurológico.

O que é?

A Síndrome das Pernas Inquietas (SPI), também conhecida como Síndrome de Ekbom, se trata de uma desordem neurológica associada a sensações anormais nas pernas. Não afeta grande parte da população, afetando cerca de 5% somente, aumentando essa porcentagem em pessoas com idade acima de 65 anos.

Quem tem a SPI sente uma sensação incômoda, não dolorosa, dentro das pernas que provoca uma irresistível vontade de mexê-las. Muitas pessoas tentam descrever essa sensação e falam que é como se sentissem “coceira nos ossos”, “alfinetadas”, “insetos caminhando pelas pernas”, “pernas querendo dançar sozinhas”, “comichão”, “formigamento”, “friagem”. Independente da sensação, isso ocasiona na urgência de ter que mexer as pernas.

Sintomas

Os sintomas da SPI aparecem quando as pernas estão em repouso e desaparecem quando elas estão em movimento. É uma sensação que piora a noite e principalmente quando o indivíduo vai se deitar para dormir. É possível identificar através de movimentos com os dedos dos pés e com os pés enquanto o indivíduo está sentado ou deitado. Como dito anteriormente, essa inquietação é interpretada de modo errado como se fosse nervosismo por parte do indivíduo.

Os sintomas da SPI acabam prejudicando no sono do indivíduo, deixando os portadores da síndrome muito cansados e sonolentos durante o dia, consequentemente aumentando a sua irritabilidade, dificuldade para se concentrar, entre outras coisas.

Tratamento

O tratamento visa melhorar a qualidade de vida desses portadores da SPI. Se uma deficiência de ferro for detectada, utiliza-se suplemento de ferro, vitamina B12, que pode ser suficiente para acabar com os sintomas.

Não há um medicamento aprovado especialmente para o tratamento da SPI, mas outros medicamentos aprovados para outras doenças são utilizados. São eles: agonistas dopaminérgicos, sedativos, medicações para dor e anticonvulsivantes.