Atualizado em: 10 julho 2011

Anestesia Geral: Riscos e Efeitos Colaterais

Saiba tudo sobre os riscos que uma anestesia geral pode oferecer. Qual a função e objetivo da anestesia e em que casos a anestesia geral é utilizada.
Sempre que vamos passar por um procedimento cirúrgico recebemos uma dose de anestésicos ou a própria anestesia geral, isso irá depender do local do corpo em que será realizado a cirurgia. A anestesia serve para que o paciente não sinta o procedimento que está sendo feito juntamente com a dor causada. É algo imprescindível antes de qualquer cirurgia, sendo ela local ou geral. Mesmo cuidando e evitando que sintamos qualquer coisa e dor na hora da cirurgia, a anestesia também traz alguns riscos, pois é algo forte que acaba fazendo com que a gente não sinta o corpo para que o procedimento seja realizado com cautela.

Como é feita?

Como citado anteriormente, a anestesia visa abolir a dor, causando a paralisia muscular, tirando também os reflexos e deixando a pessoa inconsciente. Uma vez anestesiado, o indivíduo não poderá sentir e nem reagir a qualquer tipo de estímulo recebido. Existem alguns tipos de anestesia, dentre elas a anestesia geral, mais usada para cirurgia de grande porte. A anestesia geral possui quatro estágios: pré-medicação, indução, manutenção e recuperação.

O primeiro estágio, o de pré-medicação, é realizado antes da cirurgia e tem como objetivo deixar o paciente relaxado e mais calmo para o ato cirúrgico. Então, antes da cirurgia o paciente já está menos ansioso e menos agitado, facilitando assim para todos os profissionais que irão realizar a cirurgia.

O estágio de indução é feito com a aplicação de drogas por via intravenosa. Nesse estágio, o paciente entra em sedação profunda em pouco tempo, perdendo a consciência e ficando em coma induzido. Mesmo com essa aplicação intravenosa, o paciente ainda sentirá dor caso seja feito algo, por isso é preciso dos demais estágios da anestesia. Como o paciente já estará sedado e inconsciente, é preciso que haja uma respiração artificial para que o paciente possa receber oxigenação e para que ele não aspire suas secreções. Esse é o estágio de manutenção. Recuperação é a parte em que o paciente fica por um tempo se recuperando e “acordando” da anestesia.

Riscos da anestesia geral

Embora possa haver complicações com a anestesia geral, acontecimentos assim ainda são raros. Na maioria dos casos de complicações, são devido a doenças pré-existentes que juntamente com a anestesia, terão seu quadro agravado. A anestesia geral normalmente é solicitada para procedimentos mais sérios, complexos e de alto risco. Mas, quando existe óbito em uma cirurgia, raramente é por culpa da anestesia geral.

Uma das coisas que pode prejudicar e levar a morte de algum paciente ao ser anestesiado, é no caso do paciente ser alérgico a algum anestésico. Isso é muito raro de acontecer, pois todo paciente passa por uma anamnese, respondendo diversas perguntas e levando diversos exames que são solicitados antes da realização da cirurgia.


Conte-nos o que achou da matéria usando o facebook