Atualizado em: 11 janeiro 2009

Botox no tratamento da Paralisia Cerebral

Durante as últimas semana, a campanha Teleton – que beneficia a AACD (Associação de Assistência à Criança Deficiente) – irá abordar uma doença que afeta milhares de crianças no país: a paralisia cerebral.

A paralisia cerebral é uma lesão do cérebro provocada, principalmente, pela falta de oxigenação das células cerebrais. Ela pode ocorrer durante a gestação, na hora do parto ou mesmo durante o processo de amadurecimento do bebê.

publicidade:

A alteração do tônus muscular, ou espasticidade, é a conseqüência mais comum da paralisia e acontece em 75% dos casos.

Este distúrbio consiste na contração excessiva da musculatura e provoca dificuldades funcionais graves dos movimentos, posturas anormais e dor, tornando os portadores dependentes da ajuda de outras pessoas para atividades como a alimentação, higiene e locomoção.

Ela não é reversível, mas com tratamento médico é possível amenizar a dor e devolver à criança a qualidade de vida perdida. Um dos procedimentos mais utilizados atualmente na reabilitação destes pacientes é a aplicação da Toxina Botulínica Tipo A, o famoso BOTOX®, muito conhecido por seu uso estético para atenuar as rugas. A substância é aplicada no músculo afetado e relaxa a musculatura, bloqueando a atividade motora involuntária. Com isso, além de reduzir a dor, a técnica melhora a movimentação dos membros afetados e, com todo o processo de reabilitação, que inclui uma equipe multidisciplinar, muitas crianças conseguem voltar a andar, retomar as atividades do dia-dia e, o mais importante de tudo, brincar e estudar.

O tratamento é disponibilizado pelo SUS, coberto por planos de saúde regulamentados pela Lei 9656/98 e oferecido também por algumas entidades de assistência à criança com paralisia cerebral.

Você também vai gostar disso:

Conte-nos o que achou da matéria usando o facebook