Atualizado em: 15 fevereiro 2011

Cientistas trabalham para criar carne artificial

carne_artificial

No futuro, seremos menos dependente da produção de carne bovina, ou pelo menos é isso que acha o biólogo Vladimir Mironov, que espera colaborar com a solução da crise alimentar global a partir de seu laboratório na Carolina do Sul (EUA).

publicidade:

O pesquisador e seu colaborador Nicholas Genovese, tem esperança não apenas de combater a fome no mundo através da criação de carne artificial, mas também permitir mais missões a Marte em seis meses, sabendo que é possível ter “vacas” a bordo da nave espacial.

“Imagine, por exemplo, a colonização de outros planetas ou simplesmente aumentar a população”, disse Mironov, sublinhando que “não há espaço disponível para a criação de gado em Nova York ou Cingapura.”

O pesquisador, instalado em um laboratório de tamanho modesto, mas com meios avançados da Faculdade de Medicina da Universidade da Carolina do Sul, no sudeste dos Estados Unidos, espera ser capaz de criar bifes artificiais em breve, embora por enquanto, o processo de “crescimento” de carne em um laboratório é longo e complexo. “É uma questão de tempo e dinheiro”, disse ele.

Dez anos atrás, Mironov recebeu uma bolsa da NASA para tentar realizar seu sonho de “crescimento de carne”. No entanto, atualmente o seu trabalho e não é mais financiado pela agência espacial dos EUA, que passou a investir nas pesquisas com plantas transgênicas, como fonte alternativa de proteína.

Desde então, é graças ao financiamento de três anos da organização do bem-estar animal Peta, que Mironov Genovese  está tendo condições de continuar suas investigações.

A carne artificial é produzida a partir de células-tronco embrionárias responsáveis pela formação dos músculos, chamados mioblastos, provenientes de perus que são impregnados com soro bovino para aumentar o tecido muscular.

“Nós trabalhamos em uma escala muito pequena no biorreator Synthecon da NASA, a partir das esferas porosas de quitosana (uma fibra natural derivada da casca de crustáceos), que podemos cultivar os mioblastos de animais compatíveis”, disse Mironov.

Fonte: eNews

Você também vai gostar disso:

Conte-nos o que achou da matéria usando o facebook