Atualizado em: 27 janeiro 2012

Livro – O mundo se Despedaça (Things Fall Apart)

Confira a Resenha Literária do livro: “O mundo se Despedaça” (Things Fall Apart), do autor nigeriano Chinua Achebe, e saiba mais sobre o seu enredo.

O Mundo se Despedaça, lançado em 1958, retrata a história de Okonkwo, desde sua infancia até o seu fim tragico. (Divulgação)

A trama do livro Mundo se Despedaça se passa em Umuofia, uma comunidade ibo, composta de nove aldeias, e narra a trajetória de Okonkwo, de sua infância difícil, passando por sua notoriedade, a seu trágico fim. Achebe traça o perfil de um jovem obstinado que se torna um homem forte e exigente, amante do trabalho duro e da responsabilidade, e também um guerreiro poderoso admirado e respeitado por sua comunidade. Sua fama é baseada em suas conquistas pessoais. O Mundo se Despedaça retrata a antiga ordem do mundo Ibo, uma época na qual os costumes tradicionais das sociedades pré-coloniais ainda tinham relevância, antes da intrusão do colonizador branco. Mostra a passagem de um mundo para outro, de uma ordem para outra. O livro está dividido em três partes.

Resenha Literária

A sua primeira parte trata da vida de Okonkwo, um homem Ibo, que toda sua vida quis ser importante e diferente do pai fracassado. Para tanto se destacou como lutador – um prestigio grande na sociedade Ibo – como guerreiro nas guerras contra outros clãs e como trabalhador. A dieta deles é baseada no inhame, e um homem deve ser forte e disposto para plantar muitos inhames para alimentar a si e sua família, que inclui várias esposas. Na medida em que é bem sucedido, um homem vai ganhando títulos e ascendendo na escala social. E Okonkwo ascende sempre implacável, sempre escondendo os próprios sentimentos. E a primeira parte do livro é um painel da sociedade Ibo. Descreve vários de seus costumes, rituais e crendices, assim como suas festividades, sempre mostrando o lado religioso entre os habitantes Ibo. É uma sociedade com suas vantagens e desvantagens, em que as pessoas são felizes ou infelizes. A religiosidade também é fortemente retratada, não só nesses capítulos, mas ao decorrer de todo o livro. Os ibos têm na figura dos egwugwus a liderança mais forte em sua sociedade. Também as sacerdotisas têm papel importante nos ritos.

publicidade:

O mundo de Okonkwo começa a se despedaçar à partir do momento em que ele tem que participar do assassinato de Ikemefuna. A partir daí, começa a sofrer certo desconforto psicológico. As coisas pioram quando, em uma festividade, ele mata, em um acidente com sua arma, um habitante de seu clã. Como manda a tradição, ele tem que se retirar numa espécie de exílio por sete anos, e volta com a família para a terra de sua mãe. Nesse ponto, começa a segunda parte do livro. Essa segunda parte aborda os sete anos de exílio de Okonkwo, sua chegada a Mbanta (terra de sua mãe), a recepção da sua família materna e os rumores sobre o homem branco. Começa-se a ouvir cada vez mais histórias de chegada de homens brancos, trazendo seu Deus, sua religião, seus missionários, suas armas, suas bicicletas (chamadas “cavalo de ferro”). O colonizador inglês encontrou nos excluídos, nos páreas, nas mães atormentadas pelos filhos abandonados na Floresta Maldita (era costume dos ibos amaldiçoarem os filhos nascidos gêmeos, e os abandonarem na floresta para a morte) e nos filhos renegados pelos pais, portas para invadir o seio da sociedade. O próprio filho de Okonkwo, Nwoye, acabou se deixando levar pelo lado do homem branco, causando imenso desprazer no pai. Na terceira e última parte do livro, Okonkwo está de volta a Umuófia, mas a tribo de bravos guerreiros que ele conhecia já não era a mesma.

O Escritor, Poeta, e romantico Chinua Achebe, é nigeriano e é um dos autores do continente africano mais conhecidos do seculo. (Divulgação)

O homem branco erguera uma igreja no único espaço de terra disponibilizado, a Floresta Maldita, e dali, sobrepujando todas as ameaças dos deuses e ancestrais, começou a colonizar os aturdidos ibos. A maior tragédia para Okonkwo foi descobrir seus sonhos desmoronando, sua terra sucumbindo, seu povo se erguendo contra seus ancestrais, seus irmãos recebendo a chibata, seus lideres silenciados e amedrontados diante da organização do homem branco. Nem mesmo os egwugwus seriam páreo para as armas de fogo. Chinua Achebe desmistifica e reconstrói uma sociedade africana pré-colonização, uma Umuófia rica em rituais e intrinsecamente ligada a sua terra e seus deuses; porém, ingênua e deslumbrada com a chegada do ameaçador homem branco. O mundo se despedaça é uma obra antiimperialista, escrita em inglês para celebrar a complexidade de vozes e cores da cultura nigeriana pré-colonial. É, também, uma crítica à representação equivocada das sociedades africanas por outros escritores, como Joseph Conrad.

Informações sobre o Autor

Chinua Achebe, o autor, é um romancista, poeta, crítico literário e um dos autores africanos mais conhecidos do século 20.
Foi diplomata e interessado na política africana, na depreciação que o ocidente faz sobre a cultura e a civilização da África bem como os efeitos da colonização do continente pelos europeus. Sua obra mais conhecida é “Things fall apart”, publicada em 1958 e traduzida para mais de cinqüenta línguas, tratando-se de considerações a respeito da colonização e seus efeitos sobre a etnia Ibo.
Foi premiado com o prestigioso Prêmio Internacional Man Booker em 2007.


Ficha técnica

  • Título no Brasil: O mundo se despedaça
  • Título original: Thigs fall apart (1958)
  • Autor: Chinua Achebe

Você também vai gostar disso:

Conte-nos o que achou da matéria usando o facebook