Atualizado em: 23 setembro 2011

Inocência - Resumo

Veja neste artigo, o resumo do livro “Inocência” de Visconde de Taunay

A obra Inocência foi publicada em 1872 pelo escritor Visconde de Taunay, grande conhecedor da história e paisagem brasileiras.

O autor, que percorrera os sertões enquanto militar e observara com atenção detida os costumes e hábitos do povo sertanejo, escreveu Inocência com propriedade.

publicidade:

A narrativa apresenta o sofrimento do sertanejo, a simplicidade, as contradições entre o sertanejo e o europeu, o amor impossível, a questão da honra, a beleza paisagística e feminina e a escravidão.

Resumo

Martinho dos Santos Pereira vivia com a filha Inocência nos campos de Camapuã, sul da província de Mato Grosso. Sua filha, que possuía uma beleza incomum, vivia reclusa e vigiada por Tico, anão que vivia na fazenda, pois Pereira a prometera em casamento ao vaqueiro Manecão que estava em viagem cuidando dos papéis.

Cirino, médico ambulante, conhece Pereira em uma vila e o segue até sua residência, pois Inocência estava doente e Pereira precisava que Cirino a examinasse.

Após alguma reticência, Pereira permite que Cirino adentre ao quarto de Inocência, mas lhe explica a situação e exige que ele aja adequadamente, mas ao entrar no quarto e ver Inocência, mesmo doente, Cirino se apaixona pela jovem.

Por aquele tempo, um naturalista alemão, Meyer, e seu companheiro pedem abrigo a Pereira por intermédio de uma carta escrita por seu irmão Francisco dos Santos Pereira. Comovido pela carta, Pereira não só dá abrigo aos dois europeus como lhes apresenta a filha.

Meyer a acha deslumbrante e não contém os elogios. Pereira fica desconfiado e passa a vigiar e a seguir o naturalista onde quer que ele vá. Meyer sempre ia para a mata procurar por novas espécies de insetos e Pereira ia junto deixando Cirino responsável pela medicação de Inocência.

Durante esse ínterim, Cirino declara-se para Inocência que corresponde ao sentimento.

Meyer encontra uma espécie nova de borboleta e diz a Pereira que irá nomeá-la Inocência. Pereira fica ainda mais desconfiado, mas, percebendo que o naturalista fora embora tranquilamente logo em seguida, duvida de suas desconfianças.

Manecão retorna com os papéis do casamento e Inocência diz que prefere morrer a casar-se com ele.

Cirino e Inocência planejam pedir ajuda ao padrinho de Inocência, mas Tico, que descobrira sobre o envolvimento dos dois, conta tudo a Pereira que pede a Manecão que lave a honra de sua casa.

Manecão mata Cirino e no final, quando ocorre a apresentação de Meyer sobre a borboleta Inocência, o narrador diz ironicamente que já fazia dois anos que Inocência não existia mais.

Você também vai gostar disso:

Conte-nos o que achou da matéria usando o facebook