Atualizado em: 13 março 2011

Terremoto e Tsunami no Japão: o Twitter ajuda

tsunami-dalem1No caos após o terremoto e tsunami no Japão, a Internet, e particularmente o Twitter, mais uma vez tornou-se o mais rápido canal de divulgação de informação a nível mundial.

Como a rede de telefonia caiu em algumas partes do Japão, muita gente passou a se comunicar com amigos e familiares através de redes sociais. Para milhões de telespectadores chocados em todo o mundo, este canal de informação tornou-se o meio mais rápido para entender o que estava acontecendo. E não se assuste se eu disser que as maiores redes de notícias monitoram constantemente o Twitter em busca de novas manchetes.

publicidade:

japanquake-tsunami-630As primeiras informações sobre o terremoto foram divulgadas poucos minutos após o terremoto. Depois circularam ao redor do mundo, segundo após segundo: notícias, relatos de testemunhas oculares e orações para as vítimas.

“A única coisa que parece funcionar é o Twitter”, escreveu um autor do site em Inglês “Timeout Tokyo” cerca de meia hora após o início dos tremores. Os relatos não confirmados a princípio, se transformaram numa das piores realidades enfrentadas pelo Japão em sua história.

Inúmeras pessoas usaram o serviço Twitter em substituição ao telefone e ao SMS. Como em Tóquio, a rede de telefone celular havia caído, mas a internet ainda funcionava, o Twitter foi a maneira mais rápida de divulgar e ter acesso a informações relacionadas ao terremoto e tsunami no Japão.

Logo após o terremoto, se seguiu a Tsunami no Japão, que também foi divulgada através do Twitter e serviços auxiliares como o Twitpic por onde o mundo pode ver as primeiras imagens do terror que viveu a comunidade nipônica.

Vídeos amadores em sites como o YouTube, documentaram em todas as suas variantes, o horror daqueles surpreendidos pelas ondas gigantes. No canal “Citizentube“, você pode ver pessoas com a câmera em suas mãos trêmulas, fugindo de suas casas ou o mover as prateleiras dos supermercados durante o tremor.

Você também vai gostar disso:

Conte-nos o que achou da matéria usando o facebook