Modificado em: 14 setembro 2010

Parlendas e trava linguas

O rato roeu a roupa do Rei de Roma! Calma, o rato não precisa ser caçado nessa situação. Isso trata-se apenas de um trava-língua. Para quem não conhece parlendas e trava-línguas é um conjunto de palavras que formam uma frase que seja de difícil articulação em virtude da existência de sons que exijam movimentos seguidos da língua que não são usualmente utilizados.

Os trava-línguas são ótimos aperfeiçoadores da pronúncia da língua e servem também para brincadeiras onde proporcionam muita diversão.

Veja abaixo, alguns exemplos de trava-línguas criados por Kathleen Lessa
e aproveite para treinar e se divertir com os amigos!

“Cinco bicas, cinco pipas, cinco bombas.
Tira da boca da bica, bota na boca da bomba. “

” Se a liga me ligasse, eu também ligava a liga.
Como a liga não me liga, eu também não ligo a liga. “

” O peito do pé do padre Pedro é preto; quem disser que o peito do pé
do padre Pedro não é preto, tem o peito do pé mais preto que o peito
do pé do padre Pedro”

“Sabia que a mãe do sabiá sabia que sabiá sabia assobiar?”

“Porco crespo, toco preto.”

“Tacho sujo, chuchu chocho.”

“Chega de cheiro de cera suja!”

“Norma nina o nenê de Neuza.”

“A babá boba bebeu o leite do bebê.”

“Um limão, dois limões, meio limão.”

“Aranha, ararinha, ariranha, aranhinha.”

“A fiadeira fia a farda do filho do feitor Felício.”

“A chave do chefe Chaves, está no chaveiro.”

“O Juca ajuda: encaixa a caixa, agacha, engraxa.”

“A rua de paralelepípedo é toda paralelepipedada.”

“A aranha arranha o jarro, o jarro a aranha arranha.”

“Farofa feita com muita farinha fofa, faz uma fofoca feia.”

“Minha mãe é de Jaguamimbaba, mas eu nasci em Jaguanambi.”

“O caju do Juca e a jaca do cajá. O jacá da Juju e o caju do Cacá.”

“O rei de Roma ruma a Madri. ”

“O rato roeu o rabo da raposa.”

“Rosa vai dizer à Rita que o rato roeu a roupa da rainha.”

“Chuva e sol, casamento de espanhol.
Sol e chuva, casamento de viúva.”

“Quando toca a retreta, na praça repleta,
se cala o trombone, se toca a trombeta.”

“No vaso tinha uma aranha e uma rã. A
rã arranha a aranha. A aranha arranha a rã. “

“- Alô, o tatu taí? – Não, o tatu num tá. Mas a
mulher do tatu tando é o mesmo que o tatu tá.”

“Tecelão tece o tecido, em sete sedas de Sião.
Tem sido a seda tecida, na sorte do tecelão.”

“Tigelinha de água fria, que caiu da prateleira,
foi nos olhos de Maria, que chorou segunda-feira.”

“Corrupaco, papaco, a mulher do macaco, ela pita,
ela fuma, ela toma tabaco, no sovaco do macaco.”

“O doce perguntou ao doce, qual é o doce mais
doce e o doce respondeu ao doce, que o doce
mais doce, é o doce de batata-doce.”

“O macaco foi à feira, não sabia o que comprar,
comprou uma cadeira, pra comadre se sentar. A cadeira
esborrachou, coitada da comadre, foi parar no corredor.”

“Olha o sapo dentro do saco. O saco com o sapo dentro.
O sapo batendo papo. E o papo soltando o vento.”

“Pia o pinto, a pia pinga.”

“O pinto pia, a pia pinga. Quanto mais
o pinto pia, mais a pia pinga”.

“A pia perto do pinto, o pinto perto da pia,
tanto mais a pia pinga, mais o pio pinta.”

” A pia pinga, o pinto pia, pinga a pia, pia o pinto,
o pinto perto da pia, a pia perto do pinto.”

“Atrás da pia tem um prato, um pinto e um gato.
Pinga a pia, apara o prato, pia o pinto e mia o gato”

“Tem uma tatu-peba, com sete tatu-pebinha. Quem
destatupebá ela, bom destatupebador será. “

“No cume daquele morro, tem uma cobra enrodilhada.
Quem a cobra desenrodilhá, bom desenrodilhadô será.”

“No morro chato, tem uma moça chata, com um tacho chato,
no chato da cabeça. Moça chata, esse tacho chato é seu?”

“Um ninho de carrapatos, cheio de carrapatinhos,
qual o bom carrapateador, que o descarrapateará?”

“Um ninho de mafagafos, com sete mafagafinhos.
Quem os desmafagafizer, bom desmafagafizador será.”

“Um ninho de mafagafa, com sete mafaguifinhos.
Quem desmafagaguifá ela, bom desmafagaguifador será. “

“O Papa papa o papo do pato”

“A batina do padre Pedro é preta.”

“É preto o prato do pato preto.”

“O Pedro pregou um prego na pedra.”

“Pedro pregou um prego na porta preta.”

“O padre pouca capa tem, pouca capa compra.”

“O peito do pé do pai do padre Pedro é preto.”

” Pedro tem o peito preto. Preto é o peito de Pedro.
Quem disser que o peito de Pedro não é preto,
tem o peito mais preto que o peito de Pedro.”

“Paulo Pereira Pinto Peixoto, pobre pintor português,
pinta perfeitamente, portas, paredes e pias,
por parco preço, patrão.”

“Tinha tanta tia tantã.
Tinha tanta anta antiga.
Tinha tanta anta que era tia.
Tinha tanta tia que era anta.”

“Cinco bicas, cinco pipas, cinco bombas.
Tira da boca da bica, bota na boca da bomba. “

” Se a liga me ligasse, eu também ligava a liga .
Como a liga não me liga, eu também não ligo a liga.”

” O peito do pé do padre Pedro é preto; quem disser que o peito do pé
do padre Pedro não é preto, tem o peito do pé mais preto que o peito
do pé do padre Pedro”

“Sabia que a mãe do sabiá sabia que sabiá sabia assobiar?”

“Porco crespo, toco preto.”

“Tacho sujo, chuchu chocho.”

“Chega de cheiro de cera suja!”

“Norma nina o nenê de Neuza.”

“A babá boba bebeu o leite do bebê.”

“Um limão, dois limões, meio limão.”

“Aranha, ararinha, ariranha, aranhinha.”

“A fiadeira fia a farda do filho do feitor Felício.”

“A chave do chefe Chaves, está no chaveiro.”

“O Juca ajuda: encaixa a caixa, agacha, engraxa.”

“A rua de paralelepípedo é toda paralelepipedada.”

“A aranha arranha o jarro, o jarro a aranha arranha.”

“Farofa feita com muita farinha fofa, faz uma fofoca feia.”

“Minha mãe é de Jaguamimbaba, mas eu nasci em Jaguanambi.”

“O caju do Juca e a jaca do cajá. O jacá da Juju e o caju do Cacá.”

“O rei de Roma ruma a Madri. ”

“O rato roeu o rabo da raposa.”

“Rosa vai dizer à Rita que o rato roeu a roupa da rainha.”

“Chuva e sol, casamento de espanhol.
Sol e chuva, casamento de viúva.”

“Quando toca a retreta, na praça repleta,
se cala o trombone, se toca a trombeta.”

“No vaso tinha uma aranha e uma rã. A
rã arranha a aranha. A aranha arranha a rã. ”

“- Alô, o tatu taí? – Não, o tatu num tá. Mas a
mulher do tatu tando é o mesmo que o tatu tá.”

“Tecelão tece o tecido, em sete sedas de Sião.
Tem sido a seda tecida, na sorte do tecelão.”

“Tigelinha de água fria, que caiu da prateleira,
foi nos olhos de Maria, que chorou segunda-feira.”

“Corrupaco, papaco, a mulher do macaco, ela pita,
ela fuma, ela toma tabaco, no sovaco do macaco.”

“O doce perguntou ao doce, qual é o doce mais
doce e o doce respondeu ao doce, que o doce
mais doce, é o doce de batata-doce.”

“O macaco foi à feira, não sabia o que comprar,
comprou uma cadeira, pra comadre se sentar. A cadeira
esborrachou, coitada da comadre, foi parar no corredor.”

“Olha o sapo dentro do saco. O saco com o sapo dentro.
O sapo batendo papo. E o papo soltando o vento.”

“Pia o pinto, a pia pinga.”

“O pinto pia, a pia pinga. Quanto mais
o pinto pia, mais a pia pinga”.

“A pia perto do pinto, o pinto perto da pia,
tanto mais a pia pinga, mais o pio pinta.”

” A pia pinga, o pinto pia, pinga a pia, pia o pinto,
o pinto perto da pia, a pia perto do pinto.”

“Atrás da pia tem um prato, um pinto e um gato.
Pinga a pia, apara o prato, pia o pinto e mia o gato”

“Tem uma tatu-peba, com sete tatu-pebinha. Quem
destatupebá ela, bom destatupebador será. ”

“No cume daquele morro, tem uma cobra enrodilhada.
Quem a cobra desenrodilhá, bom desenrodilhadô será.”

“No morro chato, tem uma moça chata, com um tacho chato,
no chato da cabeça. Moça chata, esse tacho chato é seu?”

“Um ninho de carrapatos, cheio de carrapatinhos,
qual o bom carrapateador, que o descarrapateará?”

“Um ninho de mafagafos, com sete mafagafinhos.
Quem os desmafagafizer, bom desmafagafizador será.”

“Um ninho de mafagafa, com sete mafaguifinhos.
Quem desmafagaguifá ela, bom desmafagaguifador será. ”

“O Papa papa o papo do pato”

“A batina do padre Pedro é preta.”

“É preto o prato do pato preto.”

“O Pedro pregou um prego na pedra.”

“Pedro pregou um prego na porta preta.”

“O padre pouca capa tem, pouca capa compra.”

“O peito do pé do pai do padre Pedro é preto.”

” Pedro tem o peito preto. Preto é o peito de Pedro.
Quem disser que o peito de Pedro não é preto,
tem o peito mais preto que o peito de Pedro.”

“Paulo Pereira Pinto Peixoto, pobre pintor português,
pinta perfeitamente, portas, paredes e pias,
por parco preço, patrão.”

Tinha tanta tia tantã.
Tinha tanta anta antiga.
Tinha tanta anta que era tia.
Tinha tanta tia que era anta.”


Conte-nos o que achou da matéria usando o facebook